sexta-feira, 3 de julho de 2015

VEJA O VÍDEO DO ASSALTO A IMOBILIÁRIA NA RIBEIRA EM NATAL

                                             CLICK EM CIMA DO VÍDEO E ASSISTA






Ladrões na manhã dessa quinta 02/07 causaram um clima de terror a funcionários de uma imobiliária no bairro da Ribeira em Natal.

Dois assaltantes entram armados no estabelecimento, rendem os funcionários e levam vários aparelhos eletrônicos da empresa e de funcionários.

No vídeo dá para perceber a ação dos bandidos e a polícia pede para que puder ajudar, ligar para o 3232-1555 da 2º DP de Brasília Teimosa.


POLICIAIS DA 2º DP DE NATAL PRENDE HOMEM DURANTE AUDIÊNCIA NA DELEGACIA




Blog Patrulha Rocas
Policiais da 2º Delegacia de Brasília Teimosa intimaram um homem identificado por ERIVAN BEZERRA DE SOUZA, 53 anos, a prestar esclarecimento de uma apropriação indébita.

Na manhã dessa quinta 02/07, Erivan foi até a delegacia, lá chegando os policiais verificaram sua identidade e viram que o mesmo tinha uma condenação por atentado violento ao pudor de mais de 8 anos. Diante da informação, os policiais deram voz de prisão ao mesmo onde cumprirá sua pena.


FALHA GRAVE NA SEGURANÃ DA PRESIDENTA DILMA

                                                    ASSISTA O VÍDEO


O brasileiro Igor Gilly, que conseguiu se infiltrar na comitiva de Dilma Rousseff em visita à universidade de Stanford, na Califórnia (EUA), na última quarta-feira (1º), contou como conseguiu aproveitar falha na segurança e hostilizar a presidente.

Em vídeo postado em sua página no Facebook, ele explica que acompanhava os passos da presidente desde a noite anterior, quando conseguiu invadir o hotel em que ela e a comitiva se hospedavam e foi de porta em porta de cada quarto tentando ouvir a voz de Dilma, sem sucesso. Ao tomar conhecimento de que ela viajaria a Stanford no dia seguinte, Gilly fez o mesmo ao lado de outros dois amigos, nomeados por ele como Maria Rita e Lucas.

“Chegamos lá e a gente já estava mais esperto da estratégia dos agentes. Eles enganaram todo mundo, fizeram todo mundo achar que ela ia pela frente quando ela foi por trás. A gente fez uma estratégia diferente, falei para ela (Maria Rita) ‘vou fingir que sou da comitiva, eu e o Lucas (o rapaz que está a seu lado no momento da abordagem), e nós vamos achar a porta que ela vai entrar'”.
“Ela chegou, entrou na portinha, eu estava lá sentado com o Lucas do lado. Quando o segurança viu a gente pegando o celular e a câmera, já começou a desconfiar. Só que já era tarde demais. Ela entrou e a gente começou a falar, falar, falar. Aí é que está, pegou o pessoal todo de surpresa. Todo mundo jurava que éramos da comitiva. Do nada a gente ‘sua pilantra, vagabunda’, o pessoal ficou espantado. Um guarda pegou o Lucas. Eu segui atrás dela xingando.”
Igor Gilly em vídeo em que relata protesto contra a presidente. Foto: Divulgação
Igor Gilly em vídeo em que relata protesto contra a presidente. Foto: Divulgação
No vídeo em que relata a invasão, Gilly diz que sua atitude é “só o começo”. “Pretendo e vou continuar agindo pelo Brasil, como um bom patriota faz. Vamos à luta, não vamos nos dispersar. Precisamos focar em pequenas lutas para ganhar a guerra”.
Assista ao vídeo dos xingamentos contra a presidente:

Leia a íntegra do relato de Igor Gilly sobre a infiltração na comitiva e os xingamentos à presidente:

“Foi uma honra ter falado tudo que estava travado na garganta de tanto brasileiro na cara dela. Mas é claro, tem muitas pessoas que estavam me perguntando como tudo aconteceu, como que consegui me inflitrar na comitiva, que não foi fácil.

Primeiro que eu já estava tentando pegar ela desde o dia anterior, no hotel, desde quando ela chegou, se hospedou no hotel mais luxuoso de São Francisco, pago com nosso dinheiro, claro. Chegando lá, me passei por repórter para tentar buscar informação. O pessoal começou a falar que ela ia passar ali na frente, ia dar entrevista para todo mundo. Fiquei pensando comigo: ‘é hoje que ela vai ouvir umas verdades’.

Só que aí, o que tinha acontecido? Eu e mais um pessoal, Maria Rita, Marcos, mais um outro pessoal daqui que está sempre envolvido em política, tinham combinado de ir para lá e combinamos de não levantar suspeita. Mas mesmo assim, a coisa lá no hotel ficou tão lotada de repórter, de gente, que os agentes que estavam lá – tinha gente para todo lado – começaram a desconfiar e coletar informação. Quando desconfiaram que ia ter protesto, que ia ter panelaço – a Maria, por exemplo, estava com o cabo da panela na bolsa dela aparecendo, dava para ver… A Maria se hospedou no hotel para tentar pegar a Dilma.

Quando foi umas 22h30 o povo: ‘a Dilma está chegando, a Dilma está chegando’ e daí do nada passaram uns 15 minutos, o povo dispersou, saiu o boato de que ela já estava no quarto e não ia dar entrevista, o povo começou a ir embora.

Eu me enfezei e fui de andar em andar no hotel procurando ela. Como eu fiz: eu ia no primeiro andar e colocava o ouvido de porta em porta para ver se eu ouvia a voz dela. E nisso eu acabava ouvindo vozes do pessoal da comitiva dela, falando em português, eu procurando a voz dela. Fui de porta em porta, andar por andar. Imagina, o hotel mais luxuoso de São Francisco é imenso, parece um castelo, e eu fui de porta em porta, todos os quartos, demorei uma hora e meia pelo menos tentando ouvir a voz da Dilma para bater na porta dela e falar o que tem que ser falado. Não consegui achar, acho que foi dormir direto, não sei.

Fui embora, a Maria dormiu lá e de manhã me ligou dizendo que tinha pegado ela no café da manhã e já feito um panelaço. Ela disse que a Dilma ia para Stanford e fomos para lá. Chegamos lá e a gente já estava mais esperto da estratégia dos agentes. Eles enganaram todo mundo, fizeram todo mundo achar que ela ia pela frente quando ela foi por trás. A gente fez uma estratégia diferente, falei pra ela ‘vou fingir que sou da comitiva, eu e o Lucas – outro cara que estava com a gente – e nós vamos achar a porta que ela vai entrar.

Chegamos lá, cumprimentamos todo mundo. A espera durou mais de duas horas. Quando do nada ela chegou, entrou na portinha, eu estava lá sentado com o Lucas do lado. Quando o segurança viu a gente pegando o celular e a câmera já começou a desconfiar. Só que já era tarde demais, ela entrou e a gente começou a falar, falar, falar. Aí é que está, pegou o pessoal todo de surpresa. Todo mundo jurava que éramos da comitiva. Do nada a gente ‘sua pilantra, vagabunda’, o pessoal ficou espantado. Um guarda pegou o Lucas, por isso o vídeo dele é curtinho. Eu segui atrás dela xingando e aí chegou o engraçadinho do Jacques Wagner, não perde uma piada, mas se ferrou. Eu tinha entendido na hora: ‘você está com dinheiro no bolso para papar?’, algo assim. Depois que fui ver que ele tinha falado: ‘você está com dinheiro do papai?’.

A grande maioria dos brasileiros aqui é contra o PT, é oposição. Você consegue encontrar petistas aqui, por incrível que pareça. Engraçado, o que os petistas estão fazendo aqui? Num emprego capitalista?
Depois que fui expulso do local, o segurança perguntou para mim e pro Lucas se éramos repórteres porque ele estava com medo que saísse na mídia. E aconteceu exatamente o que eles não querem, sair na mídia.

Isso é só o começo. Gostaria de agradecer todos os brasileiros que estão me dando apoio, estou recebendo a cada segundo milhares de mensagens, prometo que vou responder todo mundo, vou demorar, mas vou responder. Obrigado pelo carinho do pessoal por falarem que representei o povo brasileiro, realmente foi uma honra representar o povo brasileiro.

Pretendo e vou continuar agindo pelo Brasil, como um bom patriota faz. Vamos à luta, não vamos nos dispersar. Precisamos focar em pequenas lutas para ganhar a guerra. É claro que não precisa ganhar todas as batalhas para ganhar uma guerra, mas é uma guerra a longo prazo e só ganharemos essa guerra se lutarmos de pouquinho em pouquinho. Não podemos ficar parados, temos que continuar aumentando essa onda conservadora, temos que continuar aumentando essa onda da direita, e vamos juntos que nós só somos fortes unidos.”

Fonte: IG

Walfredo Gurgel consegue reduzir alta permanência de pacientes‏





Um levantamento realizado pelo Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG) mostrou que, nos últimos cinco meses, a alta permanência de pacientes (15 dias ou mais de internação) admitidos nos cinco pavimentos de enfermarias, caiu de 22 para 14 dias. Os dados foram coletados de abril a junho desse ano pela equipe multidisciplinar que realiza, diariamente, o trabalho de desospitalização responsável.

Essa atividade consiste no acompanhamento da evolução do quadro de saúde dos pacientes, através de visitas diárias aos leitos. Os dados também mostraram que de maio a junho deste ano foram desospitalizados 58 pacientes com alta permanência. Atualmente a equipe é formada por oito integrantes: direção médica, enfermeira, médico hospitalista, assistente social, representante do Núcleo Interno de Regulação (NIR), do Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD) e do Serviço de Apoio ao Tratamento e Diagnóstico (SADT).

A redução também representa mais uma meta alcançada pelas ações do Núcleo de Acesso e Qualidade Hospitalar (NAQH) do Walfredo Gurgel. Antes da adesão do hospital ao Programa SOS Emergência, a média da alta permanência estava em 49 dias. Após a integração, ficou estabelecido que a meta seria dar a alta do paciente em até 15 dias.

O assessor da direção, Antônio Tomaz de Aquino, explica que agora o próximo objetivo é traçar as metas de alta permanência de acordo com a linha de cuidado do doente. “Digamos que uma pessoa deu entrada com quadro de pneumonia. O caso dela deveria ser resolvido, em até sete dias. Se passar disso, já estará entrando em uma alta permanência”.

Para quantificar os dados, a equipe monitorou as cinco enfermarias durante os 90 dias e registrou tudo em livro de ocorrência. Neste, eram anotadas todas as ações realizadas com metas a serem cumpridas e propostas para dar resolutividade ao problema do paciente. “Dessa forma conseguimos traçar um perfil de cada andar, quais os maiores entraves e as causas principais que levaram aquele paciente a ficar internado no Walfredo Gurgel”, explica a gerente de enfermagem Melka Torquato.






quinta-feira, 2 de julho de 2015

ANIVERSÁRIO DE JÚIOR GRAFITH, ENTRADA 1 KILO DE ALIMENTO


UM ADEUS A DANK BIANK











Dank Biank Nascimento, 39 anos, que para mim um eterno policial, partiu sem que pudesse dizer suas últimas palavras. 

Dank, sempre vou me lembrar de você como o cara que sempre estava atrás da informação e sempre pronto a ajudar a combater a criminalidade.

 Lembro-me de suas últimas palavras comigo no facebook: “companheiro do Patrulha Rocas, sempre estou pronto a compartilhar suas matérias, pois tenho muito respeito e admiração pelo seu trabalho”!

Fica a saudade e que DEUS conforte a sua família.


quarta-feira, 1 de julho de 2015

NOTA DE FALECIMENTO DE (MARCÃO)







Foi com tristeza que eu soube do falecimento do meu amigo MARCOS ANTÔNIO DOS SANTOS, 58 ANOS, conhecido por (MARCÃO) que sofreu um infarto fulminante na manhã dessa terça, 30/06/2015, na rua Varela Santigo nasRocas.

Os amigos e familiares de MARCÃO ainda tentaram reanima-lo junto com o SAMU mais infelizmente não deu.

Marcão era vigilante e nas horas de folga, gostava de estar com amigos e de futebol.
Vá em paz amigo.